Titulo
Por: Cláudio Vinícius - República Off-Road / Marcelo Leitão - Maneco Pneus

Isolando o distribuidor do seu Jeep

O seu Jeep Willys / Ford é daqueles que sofrem com a "Síndrome do Cascão" (morre de medo de água)? É só aparecer uma pocinha de água na trilha, que lá está você, secando o distribuidor do carro com a camisa, para tentar fazê-lo funcionar novamente? Então aí vão algumas dicas para você vedar o distribuidor do seu "valentão" e acabar de vez com o medo de água!

O que apresentamos a seguir são algumas "receitas consagradas", já amplamente utilizadas por jipeiros de toda parte. Umas para serem aplicadas em caráter definitivo, outras de efeito momentâneo, para resolverem casos de emergência. Vale salientar que todas estarão sujeitas a falhas e que a qualidade da mão-de-obra na realização do serviço contará muito. Mãos à obra!

Silicone
Para vedar o distribuidor do seu Jeep com silicone, você precisará de um tubo de silicone, com aplicador (óbvio!!!) e um mangueira de borracha, forrado com tecido, de cerca de 2 metros de comprimento por 5 milímetros de espessura.

O primeiro passo da operação é a retirada do distribuidor, observando-se a posição do corpo do mesmo e do eixo do rotor. A tampa do distribuidor deve ser retirada e um furo de cerca de 4 ou 5 milímetros de espessura deve ser feito entre os engates dos cabos de vela, apenas na parte que fica voltada para cima. Limpe todo o distribuidor, por dentro e por fora, e volte a montá-lo. Leve em conta a posição do corpo da peça e do eixo do rotor, conforme observado no início da operação.

Agora entra o silicone: aplique uma pequena camada do produto na borda da tampa antes de fechá-la. Depois de devidamente fechado, o encaixe da tampa deverá receber ainda, em toda a sua circunferência, uma camada de silicone de uns 5 milímetros de espessura e 3 centímetros de largura, aumentando a proteção. Todos os parafusos do distribuidor e o avanço a vácuo também deverão ser vedados. Depois de recolocados os cabos de vela, os mesmos também deverão receber uma camada de silicone, que deverá cobrir desde o cabo até a parte do corpo do distribuidor próxima do encaixe. O sistema pode ser melhorado se os soquetes de velas forem substituídos pelos da moto Honda XL, por exemplo.

O tubo de borracha, citado no início, entra agora: ele deve ser colocado sobre o furo feito na tampa do distribuidor, fixado também com silicone. Este tubo funcionará como "respiro" do sistema, evitando a condensação dos gases internos do distribuidor no momento em que o veículo mergulhar na água e ocorrer uma diminuição brusca na temperatura. Por isso, é necessário que ele fique direcionado para cima, de preferência, indo até o interior (habitáculo) do veículo.

Para aumentar a segurança do sistema, recomenda-se também a vedação dos contatos da bobina e dos encaixes do cabo, ou até mesmo a sua colocação também no interior do veículo. Há casos de jipeiros que utilizam até duas bobinas; no caso de uma dar problema, transfere-se o cabo para a outra. Agora é só ajustar o ponto e "pau na máquina"!

Pode ser que você precise abrir o distribuidor novamente algum dia. Neste caso, basta puxar a tampa com força para que a camada de silicone se rompa. É recomendável que, ao tampar o distribuidor novamente, uma nova camada de silicone seja aplicada, para garantir que o sistema continue funcionando.

"Panela de pressão"
Um dos sistemas de vedação mais recomendados atualmente é a famosa "Panela de Pressão", que consiste em um recipiente feito em fibra de vidro, de formato semelhante ao do utensílio de cozinha a que seu nome se refere, que é instalado de forma que acomode dentro de si o distribuidor, protegendo-o da água.

A instalação é bastante simples: a "Panela de Pressão" possui um furo no fundo, da espessura do encaixe do distribuidor ao bloco do motor. Assim, basta que o distribuidor seja retirado para que a peça seja colocada no local. Em seguida, o distribuidor deve ser recolocado em  seu lugar, ficando a "Panela de Pressão" afixada ao conjunto através de seu fundo, como uma espécie de arruela.

Próximo passo: os cabos de vela. A "Panela de Pressão" possui conexões em sua parte interna, que recebem os cabos que saem do distribuidor, e na parte externa, que recebem os cabos que vêm do motor. A peça funciona como uma espécie de intermediário. É recomendado o redimensionamento dos cabos; a instalação de cabos de vela maiores que os originais facilitarão o manuseio do sistema na hora da manutenção.

Concluindo, temos a "tampa da panela", que é parafusada, completando assim a vedação. Como no sistema de vedação por silicone, este sistema também é dotado de um respiro para evitar a condensação dos gases quentes em seu interior.

A "Panela de Pressão", com todos os seus "periféricos", pode ser encontrada pronta em lojas especializados em produtos para 4x4. Segundo usuários do sistema, os modelos encontrados hoje no mercado exigem alguns "toques" (pequenos lixamentos nos encaixes e coisas do tipo) para se ajustarem perfeitamente à posição do distribuidor e garantir a vedação.

Luva de borracha
Uma outra opção de vedação, mais simples, porém menos segura, consiste na utilização de uma luva de borracha (dessas usadas por dentistas, médicos etc. - de preferência as que suportam esterilização por autoclave, pois são mais resistentes à alta temperatura) para tampar o distribuidor. Não é necessário sequer retirar a peça; basta que os cabos de vela sejam desconectados. Uma vez encaixada a luva sobre o distribuidor, os cabos de vela deverão passar por pequenos furos feitos nos dedos da luva e reconectados em seus devidos lugares. Para garantir um melhor funcionamento do sistema, recomenda-se que abraçadeiras de plástico sejam colocadas nos dedos da luva, deixando-os bem fixos aos cabos. Um sistema simples e que pode durar muito tempo. Deve-se ficar atento às condições da luva que, com o tempo, pode rasgar-se ou sofrer qualquer outro dano.

Se virando na emergência
Suponhamos que você ainda não tenha implementado nenhuma das soluções apresentadas acima em seu Jeep e, de repente, aquele maldito riozinho aparece no meio da sua trilha. O que fazer?

Existem algumas "soluções provisórias" que podem ser implementadas em situações de emergência, só para evitar que a sua trilha termine "no primeiro riozinho". Numa destas situações, um saco plástico pode ser a sua salvação: antes de atravessar o rio, enrole o distribuidor no saco para evitar o contato do mesmo com a água. Concluída a travessia, lembre-se de retirar o plástico, pois ele não suportará por muito tempo a temperatura do motor e acabará se derretendo.

Outra solução, também momentânea, é besuntar todo o distribuidor (junções, parafusos, conexões etc.) com graxa. Este material evitará momentaneamente a entrada da água, mas sua ação se restringirá apenas a uma ou duas travessias de água, não tendo o efeito definitivo do silicone.

COMENTÁRIOS Comente